Hoje
Hoje
Máx C
Mín C
Amanhã
Amanhã
Máx C
Mín C
Depois
Depois
Máx C
Mín C

Fauna



Aves

No território do concelho, podem observar-se aves selvagens em diversos locais, mas sobretudo em determinadas áreas que proporcionam o habitat apropriado.

A zona ribeirinha classificada como Reserva Ecológica Nacional é constituída na sua maior parte por antigas marinhas, sapais, caniçais, lodos e areias. Atualmente as marinhas não se encontram em funcionamento, excetuando um ou outro caso em que funcionam parcialmente, sem fins de exploração comercial. Estas áreas constituem um excelente habitat para a avifauna aquática do estuário, que aí encontra refúgio, alimentação e local para reprodução e nidificação. Durante todo o ano, mas sobretudo durante o Outono e Inverno, pode observar-se uma grande quantidade de aves na zona ribeirinha, muitas das quais são protegidas por Diretivas Europeias. Indicam-se algumas espécies que ocorrem na área do concelho e o tipo de locais onde é mais frequente encontrarem-se:

Perna-longa (Himantopus himantopus) – Sobretudo em antigas salinas.
Alfaiate (Recurvirostra avosetta) – Nas zonas de lodo entre-marés.
Flamingo-comum (Phoenicopterus ruber) – Nas antigas salinas e lodos entre-marés.
Garça-branca-pequena (Egretta garzetta) – Nos lodos, antigas salinas e sapais.
Garça-real (Ardea cinerea) – Nos sapais e zona entre-marés.
Pilrito-comum (Calidris alpina) e outros – Nos lodos e areias entre-marés.
Maçarico-de-bico-direito (Limosa limosa) – Nas antigas salinas e zona entre-marés.
Borrelho-de-coleira-interrompida (Charadrius alexandrinus) – Idem.
Corvo-marinho (Phalacrocorax carbo) – Nas ilhotas do estuário ou pontas de areia.
Guincho-comum (Larus ridibundus) – Nos lodos, areias e antigas salinas.
Gaivota-de-asa-escura (Larus fuscus ) – Nos lodos, areias e antigas salinas.
Gaivota-argêntea (Larus argentatus) – Nos lodos, areias e antigas salinas.
Pato-real (Anas platyrhynchos) – Em antigas salinas.
Galinha-de-água (Gallinula chloropus) – Em caniçais, lagoas ou charcos de água doce.
Galeirão-comum (Fulica atra) – Idem.

Nos caniços e canaviais dos terrenos junto da zona ribeirinha encontram-se também outras espécies de aves, nomeadamente passeriformes como os pintassilgos (Carduelis carduelis), os rouxinóis dos caniços e felosas (Acrocepahus sp. e Locustella sp.), pintarrôxo-comum (Carduelis cannabina) e o guarda-rios-comum (Alcedo atthis).

Nas zonas interiores, sobretudo nas zonas rurais com campos cultivados, sebes, ou em zonas de pinhal ou montado de sobro, podemos encontrar espécies como a andorinha-das-chaminés (Hirundo rustica), lugre (Carduelis spinus), tordo-comum (Turdus philomelos), calhandrinha-comum (Calandrella brachydactyla), picanço (Lanius sp.), petinhas (Anthus sp.), alvéolas (Motacilla sp.), verdilhão-comum (Carduelis chloris), estorninho-malhado (Sturnus vulgaris), tentilhão-comum (Fringilla coelebs), chamariz (Serinus serinus), trepadeira-comum (Certhia brachydactyla), trigueirão (Miliaria calandra), etc. A poupa (Upupa epops) é uma das aves mais bonitas que se pode encontrar em zonas arborizadas com clareiras e orlas de campos cultivados.

Entre as aves de maior porte da zona rural, destaca-se a cegonha-branca (Ciconia ciconia) que pode ser vista frequentemente sobretudo nos Brejos e Barra Cheia e algumas aves de rapina, que podem ser vistas ocasionalmente: peneireiro-vulgar (Falco tinnunculus), o tartaranhão-ruivo-dos-paúis (Circus aeruginosus) e a coruja-das-torres (Tyto alba). A gralha-preta (Corvus corone) pode ocorrer em zonas florestais e campos cultivados adjacentes.

Nos parques e jardins são comuns os melros-pretos (Turdus merula), pardal-comum (Passer domesticus), chapins (Parus sp.), etc. Nas zonas edificadas urbanas ocorrem também frequentemente a andorinha-dos-beirais (Delichon urbica) e os pombos domésticos (Columba livia).

Outros recursos faunísticos

Relativamente a outros recursos faunísticos da zona ribeirinha, são em geral comuns ao restante estuário do Tejo: nos lodos podemos encontrar invertebrados como a lambujinha (Scrobicularia plana), a minhoca-de-pesca (Hediste diversicolor), caranguejos (Carcinus sp.), entre muitos outros organismos, nomeadamente de reduzidas dimensões, que em conjunto com a microflora são de elevado valor para as cadeias tróficas do estuário.
Quanto aos peixes, a sua entrada na baía do Montijo e esteiros da Moita e Alhos Vedros dependerá sobretudo do estado da maré, sendo mais comuns os seguintes, que também ocorrem no restante estuário: taínhas (Liza sp.), robalo (Dicentrarchus labrax), dourada (Sparus aurata), solha (Platichthys flesus), linguado (Solea sp.), enguia (Anguilla anguilla), biqueirão (Engraulis encrasicholus), congro (Conger conger), savelha, (Alosa fallax), entre outros.
No que respeita a outro tipo de fauna selvagem, nomeadamente pequenos mamíferos, podemos encontrar espécies como o ouriço-cacheiro (Erinaceus europaeus), toupeira (Talpa europaea), lebre (Lepus europaeus), coelho-bravo (Oryctolagus cuniculus), rato-de-água (Arvicola sapidus), rato-do-campo (Apodemus sylvaticus), ratazana (Rattus norvegicus), rato-caseiro (Mus musculus), rato-das-hortas (Mus sxetus), doninha (Mustela nivalis) e morcegos.
A existência da fauna selvagem depende da conservação do habitat, nomeadamente da existência de suporte florestal, matas ou outra vegetação. O progressivo desaparecimento do coberto vegetal que se tem verificado ao longo dos anos, origina perda e fragmentação do habitat, que a nível local ou regional pode comprometer a biodiversidade natural.

Município da Moita © 2015 | Todos os direitos reservados