Hoje
Hoje
Máx C
Mín C
Amanhã
Amanhã
Máx C
Mín C
Depois
Depois
Máx C
Mín C

Apresentação da Peça de Teatro - O Pranto de Maria Parda



07 Abril 2017
216370e2e27fab8de01a30e97053ada0 1 1024 2500

21:30H 

Organização: Associação de Artes Abismo Humano

Local: Biblioteca Municipal de Alhos Vedros | Destinatários: geral M/12 anos

Duração: 40 min | Entrada Gratuita



Criado a partir do texto de Gil Vicente, com interpretação de Eunice Correia e encenação de José Ramalho, relaciona o trabalho do ator com o teatro de objetos (marionetas). Em cena a Maria Parda, com um vestido largo e pesado cobrindo as suas saias, acompanhada de seis figuras dispostas no palco, que representam os taberneiros a quem pede vinho. O espaço cénico será vazio, despojado, escuro como reflexo da fome, da sede e do abandono que Parda sente, e também de Lisboa, “na triste era de vinte e dous…”.

Terá um sentido simbolicamente ritualista. Rito de passagem da vida para a morte, cerimonial, com desfecho sacrificial. Esta mulher, beberrona, que vagueia pelas ruas de Lisboa em busca de vinho, representa a fome do povo e a miséria que se instalou em Lisboa nos finais de 1521, após a morte
de D. Manuel I. Sentindo-se seca, pede fiado a seis taberneiros, cujas figuras serão representadas por marionetas que simbolizam a decadência dos valores humanos como a forretice, o semitismo, a falta de generosidade e solidariedade e que acabam por ditar a sentença de morte desta mulher, uma vez que negam pelo menos matar a sua sede. Maria Parda decide então morrer.


Autor - Gil Vicente | Atriz - Eunice Correia | Figurino - Eunice Correia | Marionetas - José
Ramalho | Música - André Consciência | Direção - José Ramalho

Município da Moita © 2015 | Todos os direitos reservados